quinta-feira, 30 de junho de 2011

MUNDIAL SUB-17: DEFINIDOS OS ÚLTIMOS CLASSIFICADOS PARA AS QUARTAS-DE-FINAL

Foram realizados hoje.

Os últimos jogos das oitavas-de-final.

Do Mundial Sub-17 realizado no México.

Em Querétaro, a Alemanha goleou os Estados Unidos, 4 a 0.

E a França bateu a Costa do Marfim por 3 a 2.

Em Pachuca, a Inglaterra venceu nos pênaltis a Argentina.

Após empate em 1 a 1 no tempo normal.

O goleiro inglês Pickford segurou duas cobranças.

E os ingleses venceram a disputa de pênaltis por 4 a 2.

Também em Pachuca, o México despachou o Panamá.

2 a 0 e classificação garantida às quartas-de-final.

Eis os confrontos das quartas-de-final:

No domingo, em Monterrey, Uruguai x Uzbequistão.

Também no domingo, em Querétaro, Brasil x Japão.

Na segunda-feira, em Morelia, Alemanha x Inglaterra.

E no mesmo dia, em Pachuca, França x México.

MUNDIAL FEMININO: ALEMANHA E FRANÇA CLASSIFICADOS

Dois jogos hoje pelo Grupo A.

Na primeira fase da Copa do Mundo Feminina 2011.

A Alemanha venceu a Nigéria por 1 a 0 em Frankfurt.

E a França goleou o Canadá por 4 a 0 em Bochum.

França e Alemanha estão classificados para as quartas-de-final.

E duelam na próxima terça.

Para definir o primeiro lugar do Grupo A.

A França joga pelo empate.

Amanhã, dois jogos pelo Grupo B.

Japão e México em Leverkusen.

E Nova Zelândia e Inglaterra em Dresden.

O ÚLTIMO TÍTULO ALEMÃO

A décima edição da Eurocopa.

Realizou-se em 1996 e teve como anfitrião a Inglaterra.

Foi a primeira edição a contar com dezesseis equipes.

Em sua fase final.

Como sempre, algumas surpresas.

Algumas boas seleções de fora.

Caso da Bélgica, eliminada por Espanha e Dinamarca.

Da Suécia, terceiro lugar no Mundial de 1994.

Caindo nas eliminatórias frente a Suíça e Turquia.

Além da Noruega, contando com uma forte seleção.

Eliminada por Holanda e República Tcheca.

As dezesseis equipes qualificadas.

Dividiram-se em quatro grupos de quatro equipes.

Bulgária, Croácia, Suíça e Turquia.

Faziam sua primeira aparição.

Rússia e República Tcheca também.

Após a desintegração da União Soviética e da Tchecoslováquia.


Oito cidades sediaram os jogos.

Londres, Manchester, Liverpool, Birmingham.

Leeds, Sheffield, Newcastle e Nottingham.

A abertura ocorreu no dia 8 de junho.

Os donos da casa decepcionaram.

E empataram com a Suíça em 1 a 1 em Wembley.

No entanto a primeira fase ocorreu sem grandes surpresas.

A não ser a eliminação da Itália pela República Tcheca.

A Euro 96 ficou marcada pelas decisões por pênaltis.

Foi o que se viu a partir das quartas-de-final.

Talvez motivada pela adoção do gol de ouro.

O primeiro torneio de grande porte a adotar o evento.

A Inglaterra eliminou a Espanha.

E os franceses despacharam os holandeses.

Após a cobrança dos tiros penais.

Alemanha e República Tcheca, contudo.

Passaram para as semifinais no tempo normal no dia seguinte.

Semifinais que foram decididas nos pênaltis.

A República Tcheca surpreendeu em Manchester.

E despachou a França após um 0 a 0.

No tempo normal e na prorrogação.

Mesma situação da Alemanha.

Que empatou em 1 a 1 com a Inglaterra em Londres.

E despachou os anfitriões por 6 a 5 na cobrança dos penais.

Southgate desperdiçou um tiro para a Inglaterra.

O gol de ouro ainda não tinha funcionado.


Domingo, 30 de junho de 1996.

Estádio Wembley, em Londres.

Alemanha e República Tcheca se encontram.

Para jogar a Final da Eurocopa de 1996.

Já haviam se encontrado na primeira fase uma vez.

Na estreia de ambos.

Os alemães venceram por 2 a 0 em Manchester.

Ziege e Möller marcaram os gols.

A Alemanha se mostrava favorita.

Primeiro lugar na primeira fase.

Eliminara os anfitriões ingleses.

A República Tcheca era tida como zebra.

Classificara-se no confronto direto contra a Itália.

Embora tivesse eliminado Portugal e França em seguida.

Os países já haviam decidido a Euro, vinte anos antes.

Em 1976.

Alemanha Ocidental e Tchecoslováquia.

Fizeram o jogo final em Belgrado.

O qual, curiosamente, terminara na decisão por pênaltis.

Na histórica cobrança de Antonin Panenka.

Que deu o título continental aos tchecos.

Vinte anos depois, em Wembley.

A Alemanha ainda traz Hässler e Klinssmann.

Campeões do mundo em 1990.

Para defender o time germânico.

A República Tcheca traz um time jovem.

Onde se destacam Nedved e Poborsky.

O jogo começa duro.

A República Tcheca tem a primeira chance do jogo.

Num chute de Poborsky na pequena área.

Após cruzamento da esquerda, a bola vai para fora.

A Alemanha tenta tomar a iniciativa do jogo.

Chega perto de marcar com Kuntz.

A bola passa pelo goleiro mas a zaga tira em cima da linha.

Lance do jogo entre Alemanha e República Tcheca
na decisão da Eurocopa em 1996.

Os dois times se respeitam.

A Alemanha chega de novo de forma perigosa.

Num chute de Scholl por cima do gol.

No fim do primeiro tempo, Kuntz perde a melhor chance do jogo.

Sozinho, na cara de Kouba, o goleiro tcheco pratica a defesa.

Quase nos acréscimos, quem perde um gol é a República Tcheca.

Kuka chuta em cima do goleiro Köpke.

A Alemanha muda no intervalo.

Eilts dá lugar a Marco Bode.

E os alemães chegam novamente na cara do gol com Strunz.

Que mais uma vez perde a chance, chutando para fora.

Quando se achava que estava amadurecendo o gol alemão.

Eis que são os tchecos que abrem o placar.

Num contra-ataque ganho à base da força.

Pelo meio de campo da República Tcheca.

Poborsky é derrubado fora da área.

Mas o italiano Pierluigi Pairetto, árbitro do jogo.

pênalti, e marca a infração a favor da República Tcheca.

Berger é quem foi para a cobrança.

Na Euro dos pênaltis.

Gol na Final de pênalti!

Forte, por baixo do corpo de Köpke.

Que por pouco não segura a cobrança.

A República Tcheca, pasmem, está na frente!

Berger, República Tcheca 1 a 0.

Berger corre para comemorar o gol da República Tcheca
na Final da Eurocopa de 1996.

O jogo começa a mudar minutos depois.

Scholl dá lugar a um jovem predestinado: Bierhoff.

Vogts, no banco, está impaciente.

A Alemanha tenta num chute de Hässler.

Sem sucesso.

Sucesso teve Bierhoff, que seria o herói do jogo.

Após Nemec derrubar Strunz do lado direito.

A cobrança de falta de Ziege vai na cabeça de Bierhoff.

Que fulmina a meta de Kouba.

empata o jogo para os alemães.

Muita vibração.

1 a 1 no placar de Wembley.

Emoções fortes ainda virão no jogo.

O ataque alemão põe fogo na partida.

Bode acerta um chute.

Kouba acerta a defesa.

Escapada de Ziege pela direita.

Que passa para Klinssmann, escondido no jogo.

Dentro da área, o capitão alemão não acerta o chute.

Poborsky sai do jogo, substituído por Smicer.

É dele a última chance da República Tcheca no jogo.

Em chute longo, desviado por Köpke para fora.

O tempo regulamentar acaba.

Chega a prorrogação.

Com o tal gol de ouro.

O primeiro ataque é dos tchecos.

Numa investida pela esquerda de Berger.

Chute forte, perigoso, mas para fora.

E então surge o momento para entrar na história.

Aos cinco minutos de prorrogação.

A jogada começa na defesa alemã.

Num lance longo, a bola é jogada próxima à área tcheca.

Na disputa aérea, a bola sobra para Klinssmann.

Que a põe nos pés de Bierhoff, na entrada da área.

O atacante alemão domina, com calma.

Gira, engana a defesa.

Consegue espaço para chutar.

E chuta forte.

Kouba não segura e a bola vai mansamente entrando no gol.

É gol!

É o gol de ouro!

É o gol do título alemão!

O terceiro título da Eurocopa!

Nos pés de Bierhoff.

O gol de ouro decidiu uma competição.

Pela primeira vez na história.

Bierhoff, caído, observa a bola entrar no seu gol de ouro
na Final da Eurocopa de 1996.

Decidiria ainda a Euro 2000, na Holanda.

Seria abolido pela FIFA em 2003.

Foi o último título do futebol alemão.

De para .

Apenas duas Finais, a Alemanha derrotada em ambos.

Na Copa do Mundo, em 2002, para o Brasil.

E na Euro, em 2008, para a Espanha.

O gol de ouro de Bierhoff.

O gol que deu o último título ao futebol alemão.

Ocorreu há exatos 15 anos...

Jürgen Klinssmann ergue a Eurocopa para a Alemanha em 1996.

Ficha do jogo
30 de junho de 1996
Alemanha Ocidental 2 x 1 República Tcheca

Estádio Wembley, Londres, Inglaterra.
Árbitro: Pierluigi Pairetto (Itália).
Público: 73.611 pessoas.

Gols: Berger (República Tcheca), 14 do segundo tempo; Bierhoff (Alemanha), 28 do segundo tempo; Bierhoff (Alemanha), 5 do primeiro tempo da prorrogação (gol de ouro).

Alemanha: Köpke; Sammer, Helmer, Babbel e Strunz; Scholl (Bierhoff), Eilts (Bode), Hässler e Ziege; Kuntz e Klinsmann. Técnico: Berti Vogts.
República Tcheca: Kouba; Rada, Kadlec, Suchoparek e Hornak; Nedved, Bejbl, Nemec e Poborsky (Smicer); Berger e Kuka. Técnico: Dusan Uhrin.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

MUNDIAL SUB-17: BRASIL, JAPÃO, URUGUAI E UZBEQUISTÃO NAS QUARTAS.

Saíram hoje os primeiros classificados.

Para as quartas-de-final do Mundial Sub-17 no México.

Em Guadalajara, o Brasil bateu o Equador por 2 a 0.

E garantiu sua vaga na fase seguinte.

Onde enfrentará o Japão.

Que goleou a Nova Zelândia por 6 a 0 em Monterrey.

Em Torreón, o Uzbequistão bateu a Austrália por 4 a 0.

E também está nas quartas-de-final.

Quando enfrentará o Uruguai.

A Seleção Celeste bateu agora há pouco o Congo por 2 a 1.

Amanhã, mais quatro jogos.

Irão definir os outros quatro classificados para as quartas.

Alemanha e Estados Unidos jogam em Querétaro.

Onde também jogarão França e Costa do Marfim.

Em Pachuca, outros dois jogos.

Inglaterra x Argentina e México x Panamá.

COPA DO MUNDO 2014: RESULTADOS DE HOJE NAS ELIMINATÓRIAS ASIÁTICAS

Pelas eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo 2014.

Foram jogadas hoje as primeiras partidas da primeira fase.

Eis os resultados:

Em Kuala Lumpur, Malásia 2 x 1 Taiwan.

Em Dhaka, Bangladesh 3 x 0 Paquistão.

Em Phnom Penh, Camboja 4 x 2 Laos.

Em Colombo, Sri Lanka 1 x 1 Filipinas.

Em Tursunzoda, Afeganistão 0 x 2 Palestina.

Em Ho Chi Min, Vietnã 6 x 0 Macau.

Em Katmandu, Nepal 2 x 1 Timor Leste.

E em Ulan Bator, Mongólia 1 x 0 Myanmar.

Próximo sábado e domingo ocorrem os jogos de volta.

MUNDIAL FEMININO: TERMINA A PRIMEIRA RODADA

Foram realizados hoje.

Os últimos jogos da primeira rodada.

Da primeira fase do Mundial de Futebol Feminino.

A Seleção do Brasil bateu a da Austrália por 1 a 0.

Em Mönchengladbach, gol de Rosana, no segundo tempo.

O Brasil faz parte do Grupo D.

Do qual também fazem parte Noruega e Guiné Equatorial.

Hoje o time europeu bateu o africano também por 1 a 0.

Ontem, pelo Grupo C.

A Suécia venceu a Colômbia em mais 1 a 0, gol de Landström.

E os Estados Unidos venceram a Coreia do Norte por 2 a 0.

Os jogos do Grupo B foram na segunda.

O Japão venceu a Nova Zelândia por 2 a 1.

E México e Inglaterra empataram em 1 a 1.

Na abertura da Copa do Mundo, no domingo.

As francesas venceram as nigerianas por 1 a 0.

E as alemãs venceram as canadenses por 2 a 1.

Amanhã começa a segunda rodada.

Pelo Grupo A, o Canadá enfrenta a França em Bochum.

E a Alemanha joga contra a Nigéria em Frankfurt.

COPA DO MUNDO 1986, 25 ANOS PARTE 22 (FINAL): A CONSAGRAÇÃO DE MARADONA!


Domingo, 29 de junho de 1986.

Estádio Azteca, Cidade do México.

Chegamos à Final da Copa do Mundo de 1986.

Argentina e Alemanha Ocidental.

Irão duelar pela conquista da décima-terceira Copa do Mundo.

A Argentina em busca de seu segundo título.

A Alemanha Ocidental buscando igualar Itália e Brasil com o tri.

Os argentinos são favoritos.

Chegam à Final.

Credenciados pelas atuações mágicas de Maradona.

Gol de mão, gol de placa...

Derrubando uruguaios, ingleses e belgas pelo caminho.

Os alemães sempre foram um adversário de respeito.

Haviam passado pela França de Platini em sua trajetória.

São os então vice-campeões do mundo.

Como em toda Final, o jogo é truncado.

A Argentina desperdiça a primeira chance.

Numa cobrança de escanteio.

A Alemanha também chegou perto.

Briegel é derrubado perto da área, no lado esquerdo.

Na cobrança da falta, Pumpido segura firme o chute de Brehme.

Maradona é advertido com cartão amarelo.

Disputa de bola na Final da Copa do Mundo de 1986.

A Argentina chega ao primeiro gol numa cobrança de falta.

Num lance em que Cuciuffo é derrubado no lado direito.

Matthäus é advertido com cartão amarelo.

Burruchaga levanta bem alto na área.

A bola vai certeira na cabeça de Brown.

Que de maneira fulminante acerta a meta de Schumacher.

É o gol que abriu o placar.

É gol da Argentina!

Brown.

O único gol da carreira do zagueiro.

Vestindo a camisa albiceleste.

Está aberto o placar na Cidade do México.

Brown abre o placar no Estádio Azteca para a Argentina
na Final da Copa do Mundo de 1986.

E o jogo continua truncado.

A Argentina passa a ir apenas "na boa".

Alguns lances de bola parada.

A Alemanha tenta chegar ao gol.

Rummenigge perde uma chance na pequena área.

E o primeiro tempo termina com a vantagem portenha.

No intervalo, Beckenbauer substitui Allofs por Völler.

Mas quem chega ao gol é a Argentina.

Logo aos 11 minutos.

Em boa jogada pelo meio, Maradona serve Enrique.

Que acha Valdano livre na esquerda.

O atacante argentino, friamente, invade a área alemã.

Desloca Schumacher e põe a bola no fundo das redes.

Marcando o segundo gol da Argentina.

Muita vibração no Estádio Azteca.

É mais um gol da Argentina!

Valdano, 2 a 0.

Valdano marca o segundo gol da Argentina
na Final da Copa do Mundo de 1986.

A Argentina segue criando.

Valdano desperdiça uma chance de cabeça.

Beckenbauer substitui de novo.

Magath dá lugar a Höness.

A Alemanha consegue chegar ao gol aos 29 minutos.

Brehme cobra escanteio e Völler escora de cabeça.

A bola chega aos pés de Rummenigge.

Que empurra para as redes de Pumpido.

Dentro da pequena área argentina.

A Alemanha segue na guerra.

E sete minutos depois consegue chegar ao empate.

Em outra cobrança de escanteio de Brehme.

A bola é novamente escorada de cabeça para a pequena área.

E encontra Völler sozinho para marcar.

O gol de empate da Alemanha Ocidental.

Tudo igual no Azteca.

2 a 2.

Völler (9) marca de cabeça o gol de empate da Alemanha.

Não deu muito tempo para comemorar.

No primeiro ataque argentino após a bola rolar.

Os sul-americanos pularam novamente à frente no placar.

Maradona passa no meio para Burruchaga.

Que avança em velocidade para a área alemã.

O argentino chega primeiro que Briegel na corrida.

De frente para Schumacher.

Fuzila a meta da Alemanha e marca o seu gol no jogo.

É o gol do título!

O gol do bi-campeonato da Argentina!

Burruchaga, Argentina na frente, 3 a 2.

Burruchaga marca o gol do bi-campeonato mundial argentino.

Já eram 39 minutos do segundo tempo.

O jogo caminhava para o final.

A Copa caminhava para o seu final.

Maradona ainda perde uma chance.

Cai no chão.

Pede pênalti.

Cobra uma falta.

Schumacher defende.

Maradona em disputa de lance na Final da Copa do Mundo de 1986.

Trobbiani entra no fim do jogo.

Romualdo Arppi Filho apita o final da partida.

A Argentina sagra-se bi-campeã do mundo no México!

Festa no Estádio Azteca.

Comemoração nas arquibancadas.

É a consagração do mito Maradona.

Do mito que levou a Argentina.

Pela segunda vez à conquista do título.

Uma multidão a consagrar o ídolo.

Que recebe e ergue a Copa do Mundo da FIFA.

Sob o céu ensolarado do México...

Maradona beija a Copa do Mundo em 1986.

A Copa do Mundo de 1986.

Foi a última em que um gênio ganhou a Copa sozinho.

Maradona foi o grande responsável pelo título em 1986.

Suas atuações contra Coreia do Sul, Bulgária e Uruguai.

E sobretudo contra Inglaterra e Bélgica.

Levaram os argentinos à Final no México com status de favorito.

A Final da Copa de 1986.

Foi a última em que foram marcados cinco gols.

Os tentos começaram a rarear depois de 1986.

1986 marcou a despedida de grandes ídolos.

Platini, Zico e Boniek disputaram sua última Copa.

Romerito e Paulo Futre tiveram sua única chance.

A Copa do México também marcou.

As despedidas de Hungria e Irlanda do Norte dos Mundiais.

Iraque e Canadá participaram pela única vez.

Rummenigge é ainda hoje o único capitão.

A perder duas Finais de Copas.

Brehme, Matthäus, Littbarski, Berthold, Völler.

Augenthaler, Thon e o técnico alemão Franz Beckenbauer.

Sagrariam-se campeões do mundo quatro anos mais tarde.

Branco e Müller também seriam campeões pelo Brasil.

Oito anos depois nos Estados Unidos.

O astro?

Bem!...

Este era o momento de seu auge.

A partir dali iniciaria um constante período de declínio.

Maradona ainda levaria a Argentina à Final em 1990.

Mas se despederia de forma melancólica em 1994.

Fiquemos com as imagens do astro.

Em seu momento de brilho reluzente.

Maradona e a Argentina.

Campeões do mundo no México em 1986!

Há exatos 25 anos...

A consagração de um gênio:
Maradona celebra a conquista da Copa do Mundo de 1986 pela Argentina.



Ficha do jogo
29 de junho de 1986
Argentina 3 x 2 Alemanha Ocidental

Estádio Azteca, Cidade do México, México.
Árbitro: Romualdo Arppi Filho (Brasil).
Público: cerca de 114.600 pessoas.

Gols: Brown (Argentina), 23 do primeiro tempo; Valdano (Argentina), 11 do segundo tempo; Rummenigge (Alemanha Ocidental), 29 do segundo tempo; Völler (Alemanha Ocidental), 36 do segundo tempo; Burruchaga (Argentina), 39 do segundo tempo.

Argentina: Pumpido; Brown, Cuciuffo, Ruggeri e Olarticoechea; Giusti, Batista, Maradona (c) e Enrique; Burruchaga (Trobbiani) e Valdano. Técnico: Carlos Bilardo.

Alemanha Ocidental: Schumacher; Jakobs, Berthold, Karl-Heinz Förster e Briegel; Matthäus, Brehme, Magath (Dieter Höness) e Eder; Allofs (Völler) e Rummenigge (c). Técnico: Franz Beckenbauer.

terça-feira, 28 de junho de 2011

COPA DO MUNDO 2014: COMEÇAM AS ELIMINATÓRIAS ASIÁTICAS

Começam amanhã com a realização de oito jogos.

As eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo de 2014.

Dezesseis equipes participam desta primeira fase.

O primeiro jogo é em Phnom Penh entre Camboja e Laos.

Nepal e Timor Leste se enfrentam em Katmandu.

Afeganistão e Palestina jogam em Tursunzade, no Afeganistão.

Em Colombo, Sri Lanka x Filipinas.

Em Dakha, Bangladesh x Paquistão.

Em Ulan-Bator, Mongólia x Mianmar.

Vietnã e Macau jogam em Ho Chi Min.

E Malásia e Taipé se enfrentam em Kuala Lumpur.

Os jogos de volta acontecem dias 2 e 3 de julho.

As oito equipes classificadas desses confrontos.

Irão se juntar a outras vinte e duas equipes.

Previamente classificadas para a segunda fase.

Também a ser disputada em mata-mata.

Os quinze vencedores dos confrontos da segunda fase.

Se juntam a Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte.

Austrália e Bahrein.

E se dividirão em cinco grupos com quatro equipes.

Os dois primeiros colocados se classificam para a fase final.

Em que as dez equipes restantes.

Dividem-se em dois grupos de cinco equipes.

Os dois melhores de cada grupo se classificam para a Copa 2014.

Os terceiros colocados jogam entre si.

Por uma vaga na repescagem.

FABIEN BARTHEZ

Fabien Alain Barthez nasceu em Lavelanet, na França, há exatos 40 anos, em 28 de junho de 1971.

Ex-goleiro francês, notabilizou-se por fazer parte da geração mais vitoriosa do futebol gaulês, tendo se sagrado campeão mundial em 1998, campeão europeu em 2000 e da Copa das Confederações em 2003.

Barthez iniciou sua carreira no pequeno Toulouse em 1991.

O cabeludo Barthez defendendo o Toulouse em 1992.

Disputou 26 partidas oficiais pelo clube até transferir-se para o Olympique de Marseille em 1992, na época considerada a melhor equipe da França.

No Olympique, conquistou a Liga dos Campeões em 1993, tornando-se o goleiro mais jovem a vencer a competição, então com 22 anos de idade, marca batida por Iker Casillas no ano 2000.

O Olympique campeão europeu em 1993.
Em pé: Barthez, Sauzee, Desailly, Völler e Boli.
Agachados: Angloma, Abedi Pelé, Deschamps, Boksic, Eydelie e di Meco.

Em 1994 estreia pela Seleção Francesa, numa partida contra a Austrália.

Na temporada 1994-95 disputou a Segunda Divisão do Campeonato Francês pelo Olympique, vencendo-a facilmente.

Transfere-se para o AS Monaco em 1995, onde jogou por cinco anos e venceu o Campeonato Francês em 19972000.

O AS Monaco campeão francês em 1997.
Em pé: Martin, Legwinski, Blondeau, Djetou e Anderson.
Agachados: Dumas, Petit, Barthez, Scifo, Collins e Ikpeba.

Em 1996 foi convocado para a disputa da Eurocopa na Inglaterra, sendo o goleiro reserva da Seleção, que foi eliminada nas semifinais.

A partir de então seria o goleiro titular da Seleção Francesa até o ano de 2006.

Figura marcante na Copa do Mundo de 1998, realizada na própria França, Barthez obteve destacada atuação em toda a campanha francesa rumo ao título, sendo eleito ao fim do torneio o melhor goleiro daquela Copa do Mundo.

O título inédito passando por cima da então campeã Seleção Brasileira na Final em Paris proporcionou enorme popularidade a Fabien Barthez.

Barthez com a taça de campeão do mundo em 1998.

Dois anos mais tarde, Barthez novamente contribiu muito com a Seleção Francesa, conquistando a Eurocopa 2000.

Depois disso a Seleção Francesa liderou o ranking de seleções da FIFA por dois anos seguidos.

Nesse mesmo ano Barthez se transferiu do AS Monaco para o inglês Manchester United.

Sua primeira temporada foi um sucesso, tornando-se facilmente ídolo da torcida do Manchester, ajudando a equipe a conquitar o Campeonato Inglês em 2001.

Participou da Copa do Mundo de 2002, sendo eliminado com a Seleção da França logo na primeira fase.

Em 2003 volta a conquistar o Campeonato Inglês pelo Manchester United.

Barthez defendendo o Manchester United.

Nesse mesmo ano vence a Copa das Confederações pela França, jogando mais uma vez em casa.

No início de 2004 voltou a jogar pelo Olympique de Marseille.

Ainda em 2004 defendeu a França na Eurocopa disputada em Portugal, indo até as quartas-de-final, quando foi eliminada pela Grécia, que viria a ser a campeã.

Na Copa do Mundo de 2006 a titularidade de Barthez foi surpresa para muitos, já que todos esperavam que o goleiro principal seria Grégory Coupet.

Barthez viria mostrar que era sim uma boa opção para titular da França pela terceira Copa do Mundo consecutiva.

A Seleção Francesa foi até a Final, perdendo o título nos pênaltis para a Itália.

Foi último jogo de Barthez pela Seleção Francesa, realizando ao todo 87 jogos, tornando-se o goleiro que atuou em mais jogos pelo seu país, superando a marca anterior, de Joel Bats.

Último momento de Barthez na Seleção Francesa:
A disputa de pênaltis contra a Itália na Final da Copa do Mundo de 2006.

Após a Copa do Mundo encerrou seu ciclo no Olympique de Marseille, totalizando 216 partidas oficiais pelo clube.

Tentou negociar para voltar a defender o Toulouse, sem sucesso.

Passou a atuar então pelo Nantes, clube pelo qual participa de 16 partidas, insuficientes para livrar o clube do rebaixamento no Campeonato Francês, encerrando a sua carreira futebolística.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

FLUMINENSE, 20 VEZES CAMPEÃO!

O Campeonato Carioca de 1971.

Contou com a participação de doze clubes.

As equipes se dividiram em dois grupos na primeira fase.

América, Flamengo, Vasco e Bonsucesso no Grupo A.

Botafogo, Olaria, Fluminense e Bangu no Grupo B.

Foram as equipes classificadas.

Portuguesa, Campo Grande, Madureira e São Cristóvão.

Foram as quatro equipes eliminadas.

Na segunda fase.

As oito equipes classificadas jogaram em turno e returno.

A equipe que fizesse mais pontos.

Na soma da primeira e segunda fases.

Sagraria-se campeã estadual.

O segundo turno começou com o Botafogo.

Disparado na liderança.

Time que fizera mais pontos na primeira fase.

O Fogão passou por Bangu e Fluminense.

Nas duas primeiras rodadas.

No entanto, o clube começou a passar por alguns tropeços.

Empates contra Olaria, América e Bonsucesso.

Além de uma derrota por 2 a 0 para o Flamengo.

Foram decisivas para diminuir a vantagem do time alvinegro.

Quem passou a mandar no campeonato foi o Fluminense.

Que depois de conhecer a derrota na segunda rodada.

Para o adversário preto e branco.

Não perdera mais nenhum jogo.

Conquistando vitórias importantes nas últimas rodadas.

Contra os rivais Vasco e Flamengo, por 2 a 0.

O Botafogo perdera a chance de comemorar o título.

Após mais um empate contra o América no dia 19 de junho.

O Tricolor e o Alvinegro iriam se encontrar na última rodada.

27 de junho de 1971.

Fluminense e Botafogo no Maracanã.

Decidem o Campeonato Carioca.

O Botafogo está um ponto à frente.

Joga por um empate na decisão.

Ao Fluminense, somente resta a vitória.

Para que seja levantado o título.

O jogo é tenso.

Mais de 140 mil torcedores no Maracanã.

Chances para ambos os times.

O Botafogo mais preocupado com a defesa.

O Fluminense sempre buscando as jogadas de ataque.

Aflição para os torcedores dos dois times.

No primeiro tempo, numa cobrança de falta.

Lula manda um chutaço na trave.

O capitão do Botafogo Carlos Alberto.

Machuca-se durante o jogo e é substituído por Mura.

Simpatizantes dos dois times vibram na arquibancada.

A iniciativa do jogo é do Flu.

Flávio entra na vaga de Didi.

O Botafogo era perigoso nos contra-ataques com Zequinha.

O time tem uma chance numa cobrança de falta de Paulo César.

Mas Félix garantiu a defesa.

O jogo cresceu muito em emoção.

Até que aos 42 do segundo tempo, o lance capital.

Bola cruzada do ataque tricolor por Oliveira na direita.

O goleiro Ubirajara sobe, é deslocado no ar e cai no chão.

Com as redes livres, Lula fica com a sobra.

Para marcar o gol do título do Fluminense.

Confusão no fim do jogo.

Os jogadores do Botafogo reclamam marcação de falta.

Sobre Ubirajara, deslocado por Marco Antônio.

O lance é, de fato, polêmico.

O tumulto foi formado.

Os botafoguenses não aceitavam a marcação do juiz.

Que confirmou o gol do Flu e expulsou Carlos Roberto.

A torcida tricolor comemorou ruidosamente.

A conquista do vigésimo título estadual do clube.

No lance comentado até os dias de hoje.

Que aconteceu há exatos 40 anos...



Ficha do jogo
27 de junho de 1971
Fluminense 1 x 0 Botafogo

Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro
Árbitro: José Marçal Filho.
Público: 142.339 pessoas.

Gol: Lula, aos 42 do segundo tempo (Fluminense).

Fluminense: Félix; Oliveira, Galhardo, Assis e Marco Antônio; Silveira e Didi (Flávio); Wilton (Cafuringa), Cláudio, Ivair e Lula. Técnico: Zagallo.

Botafogo: Ubirajara; Carlos Alberto Torres (Mura), Brito, Osmar e Paulo Henrique; Carlos Roberto e Nei Conceição; Zequinha (Paraguaio), Nílson Dias, Careca e Paulo César. Técnico: Egídio Landolfi.

domingo, 26 de junho de 2011

COPA DO MUNDO FEMININA: ALEMANHA E FRANÇA VENCEM.

Na abertura da sexta edição.

Do Mundial Feminino de Futebol.

A Alemanha venceu em Berlim o Canadá por 2 a 1.

E a França venceu a Nigéria por 1 a 0 em Sinsheim.

Confira:



MUNDIAL SUB-17: BRASIL EMPATA NO FIM E SE CLASSIFICA EM PRIMEIRO NO GRUPO F

A Seleção Brasileira apenas empatou nos acréscimos.

Contra Costa do Marfim, em Guadalajara, pelo Mundial Sub-17.

Em seu jogo de despedida da primeira fase.

E classificou-se em primeiro lugar no Grupo F.

Fará as oitavas-de-final também em Guadalajara.

Contra a Seleção do Equador.

Que garantiu o segundo lugar no Grupo E.

Uma partida do Mundial foi suspensa.

Em Querétaro, a Dinamarca vencia a Austrália por 1 a 0.

Mas o jogo foi suspenso aos 25 do primeiro tempo.

Devido a uma tempestade de raios.

Isso impediu a definição de todos os confrontos.

A serem jogados nas oitavas-de-final.

Seis confrontos estão definidos.

Na quarta-feira, em Guadalajara, Brasil x Equador.

Em Morelia, Congo x Uruguai.

E em Monterrey, Japão x Nova Zelândia.

Na quinta-feira, em Querétaro, Alemanha x Estados Unidos.

E em Pachuca, dois jogos.

Inglaterra x Argentina e México x Panamá.

Uzbequistão e França ainda não conhecem seus adversários.

Dependem da conclusão de Austrália x Dinamarca.

Que lutam por uma vaga.

Um deles enfrentará Costa do Marfim.

Que, com o empate com o Brasil, já tem sua vaga assegurada.

ESTADUAIS: INDEPENDENTE FAZ HISTÓRIA NO PARÁ!!! SAMPAIO É BI NO MARANHÃO!

Saiu esta noite o Campeão Paraense de 2011.

Um campeão para entrar na história.

O Independente Atlético Clube, de Tucuruí.

Empatou com o Paysandu no tempo normal em Belém por 3 a 3.

Venceu em seguida a disputa nos pênaltis por 3 a 0.

E consagrou-se hoje.

O primeiro clube do interior do Pará.

A tornar-se campeão estadual.

Apenas quatro clubes haviam conquistado o Paraense até hoje.

O Paysandu, dono de mais troféus, com 44 conquistas.

O Remo, seu eterno rival, com 42 conquistas.

A Tuna Luso, que não conquista um título a 23 anos.

Tem ao todo 10 conquistas.

A extinta Sociedade Athlética União Sportiva.

Conquistou dois Estaduais, em 1908 e 1910.

Em sua nonagésima nona edição.

O Independente de Tucuruí bateu hoje o Paysandu nos pênaltis.

E garantiu a conquista inédita no futebol do Pará.

O Paysandu abriu o placar com Sidny de falta.

Mas Marçal, Wegno e Joãozinho fizeram três gols em sequência.

Que deixaram o Independente em vantagem.

O Paysandu fez o segundo gol no início do segundo tempo.

A partir de então o Paysandu foi só pressão.

E deixou o jogo dramático.

E no último minuto de jogo Sandro fez o gol de empate.

Que levou a decisão do título para as cobranças das penalidades.

Nas cobranças, Fábio Gaúcho, Lima e Adson.

Balançaram as redes pelo Independente.

O Paysandu foi pífio em suas cobranças.

E perdeu todas com Sidny, Rafael Oliveira e Mendes.

Foi o suficiente para o Independente festejar.

Parabéns ao campeão inédito e histórico!

Parabéns ao Independente Atlético Clube!

Campeão Paraense de 2011!!!



Também foi conhecido o campeão maranhense.

Aliás, bi-campeão.

É o Sampaio Corrêa!

Último campeão em 2010.

O time não pode ser alcançado por mais ninguém na tabela.

E é o mais novo bi-campeão maranhense.

Feito que não conseguia há oito anos.

É a trigésima conquista do Sampaio Corrêa.

O clube que mais títulos estaduais tem no Maranhão.

Parabéns ao Sampaio Corrêa Futebol Clube!

Campeão Maranhense de 2011!!!



Nos demais Estaduais que tiveram jogos hoje.

O Espigão venceu o Ariquemes.

No primeiro jogo da Final do Campeonato Rondoniense.

E joga por um empate na próxima partida para ser campeão.

Definidos os Finalistas no Mato Grosso do Sul e no Acre.

CENE e Aquidauanense farão a Final do Sul-matogrossense.

Rio Branco e Plácido de Castro são os finalistas do Acreano.

No Piauí, Comercial e Parnahyba golearam.

Comercial e River lideram o segundo turno, com nove pontos.

E no Amapá, Santos e Oratório empataram em 1 a 1.

O Santos lidera o Grupo A com oito pontos.

Mesma pontuação do Oratório, que lidera o Grupo B.

Os Estaduais estão chegando ao fim.

Restam conhecer apenas cinco campeões...



CAMPEÕES ESTADUAIS 2011:

ALAGOAS: AS ARAPIRAQUENSE;

AMAZONAS: PEÑAROL AC;

BAHIA: AD BAHIA DE FEIRA;

CEARÁ: CEARÁ SC;

DISTRITO FEDERAL: BRASILIENSE FC;

ESPÍRITO SANTO: AA SÃO MATEUS;

GOIÁS: AC GOIANIENSE;

MARANHÃOSAMPAIO CORRÊA FC;

MATO GROSSO: CUIABÁ EC;

MINAS GERAIS: CRUZEIRO EC;

PARÁINDEPENDENTE AC;

PARAÍBATREZE FC;

PARANÁ: CORITIBA FC;

PERNAMBUCO: SANTA CRUZ FC;

RIO DE JANEIRO: CR FLAMENGO;

RIO GRANDE DO NORTE: ABC FC;

RIO GRANDE DO SUL: SC INTERNACIONAL;

RORAIMAAE REAL;

SANTA CATARINA: ASSOCIAÇÃO CHAPECOENSE FUTEBOL;

SÃO PAULOSANTOS FC;

SERGIPESE RIVER PLATE;

TOCANTINSGURUPI EC;

RIVER PLATE PERDE PÊNALTI, SÓ EMPATA E É REBAIXADO PELA PRIMEIRA VEZ EM SUA HISTÓRIA *

Não adiantaram os trinta e três títulos nacionais e a tradição de 110 anos.

O dia 26 de junho de 2011 ficará marcado como o mais trágico da história do River Plate.

O time de Buenos Aires desperdiçou uma cobrança de pênalti, não foi além do empate diante do Belgrano por 1 a 1, em pleno Monumental de Núñez, e foi rebaixado pela primeira vez no Campeonato Argentino - no jogo de ida, perdeu por 2 a 0.

Após a partida houve enfrentamentos entre a torcida do River e policiais nos arredores do estádio Monumental.

A polícia tentava conter as centenas de decepcionados torcedores com jatos de água e com a intervenção de agentes montados à cavalo.

Um carro policial foi destruído e latas de lixo incendiadas.

Parte dos cerca de 60 mil espectadores que estiveram no jogo foram mantidos por mais de 45 minutos sem poder deixar o estádio, mas isso não bastou para o clima se acalmar.

Antes mesmo do fim do jogo, a torcida se revoltou e tentou quebrar parte das arquibancadas para jogar no gramado.

Fora do Monumental, os confrontos com a polícia se seguiram, e pelo menos 25 torcedores feridos foram levados para hospitais, segundo o serviço de emergência argentino.

Além disso, estabelecimentos comerciais foram saqueados.

Dentro de campo, o desespero ao final do jogo era nítido.

O goleiro Carrizo era um dos mais desesperados e não poupava lágrimas.

Com isso, apenas Boca Juniors e Independiente estão entre os grandes que jamais deixaram a elite.

Na atual edição do torneio Clausura, o time de Juan José Lopez não foi tão mal, ao terminar em 9º. lugar.

O problema é que o sistema de rebaixamento aplicado na Argentina é diferente do que é convencionalmente usado.

Existe um ranking com a média de pontos das equipes nas últimas três temporadas.

E o River não foi nada bem neste período.

Diante disso, acabou sendo obrigado a disputar uma repescagem, chamada de "Promoción".

A pressão era grande.

A torcida se mostrou muito revoltada com os sucessivos tropeços.

No jogo de ida, por exemplo, na quarta-feira passada, vários torcedores invadiram o gramado em Córdoba e um deles chegou agredir um jogador do River.

No dia seguinte, centenas de torcedores tentaram entrar nas instalações da equipe, mas foram reprimidos pela polícia.

Para evitar prováveis brigas e vandalismo no caso de um resultado adverso, a polícia montou o maior esquema de segurança já visto em um jogo entre equipes no país.

Ao todo, 2.500 homens estavam presentes.

Aliás, o drama do River colocou a Copa América, que começa na próxima sexta-feira, em segundo plano.

Não se falava em outro assunto na Argentina.

Além de toda essa pressão por uma vitória por dois gols de diferença, o River Plate entrou em campo desfalcado de algumas peças importantes, como os zagueiros Román e Ferrari, além do volante e capitão Matías Almeyda.

Jogando em casa, não tinha alternativa e precisava atacar.

Chegou a levar susto, logo aos 4 minutos, quando o Belgrano teve um gol anulado.

No lance seguinte, porém, Pavone fez 1 a 0 para o River.

A torcida fazia sua parte e empurrava.

Em campo, o time de Juan José Lopez continuou ofensivo, criou outras oportunidades e ainda reclamou de um possível pênalti.

Foi para o intervalo com um resultado que não o ajudava.

Para o segundo tempo, o nervosismo aumentava com o passar do tempo.

O drama ficou ainda maior aos 17 minutos.

Ferrero tentou afastar o perigo, mas chutou em cima do companheiro Maidana.

A bola sobrou para Farré empatar.

O River não desistiu e teve a chance de ganhar sobrevida.

Aos 24 minutos, Pavone cobrou pênalti, mas o goleiro Olave defendeu e decretou a primeira queda da história do time de Buenos Aires.

Leandro Caruso lamenta chance perdida no jogo que valeu
o rebaixamento inédito do River Plate em seus 110 anos de história.

* Publicado no UOL às 16:54 hs.