quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

PAÍS SE MOBILIZA CONTRA DENGUE *

Acerta a Presidente Dilma Rousseff em tirar - apenas 11 dias depois de ter tomado posse - o Governo Federal da posição de mero observador para deflagrar um plano de ações concretas de combate à dengue, doença que anda muito perto de se tornar uma epidemia nacional.

O plano vai muito além do Ministério da Saúde, já que contará com a participação de outros cinco ministérios que começam imediatamente a executar tarefas claramente definidas para cada um.

O Ministério da Defesa vai destacar militares de recrutas para os serviços de vigilância e tratamento da doença.

O da Educação cuidará da conscientização das pessoas para a prevenção por meio de semanas de mobilização em escolas técnicas e universidades.

Ao Ministério do Turismo caberá orientar a divulgação de informações sobre a dengue nos 65 destinos turísticos mais procurados do país.

O Ministério do Meio Ambiente vai reforçar o trabalho junto a importadores e fabricantes de pneus tendo em vista as regras de prevenção da doença.

O Ministério da Justiça vai apoiar a implantação de leis de vigilância e fiscalização nos estados e municípios que ainda não avançaram nesse sentido e os ministérios da Previdência e do Trabalho vão utilizar rede de contatos com aposentados e trabalhadores para orientá-los quanto aos sintomas e formas de tratamento da doença.

Para completar o grupo interministerial, espécie de força-tarefa federal, a Secretaria de Comunicação Social vai coordenar com as assessorias de todos os ministérios a divulgação de informações sobre a dengue.

O Ministério das Cidades vai orientar os municípios a utilizar de imediato os "recursos de mobilização social" do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, coordenador das ações federais de combate à dengue, explicou que o plano vai começar logo em 16 estados considerados em situação de alto risco de epidemia.

A maioria localiza-se no Norte e Nordeste do país, além do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, no Sudeste.

A população, por sua vez, deve tomar cuidados indispensáveis, prevenindo-se através de iniciativas que têm grande importância no combate a essa doença, ao fazer dessas atenções uma prática permanente do seu dia a dia.

O lixo que se acumula, a exemplo de copos usados, pratos, garrafas, xícaras de plástico e vidro, pedaços de louças, cascas de ovo, embalagens impermeáveis, torna-se excelente reservatório de água.

Com as chuvas, formam-se depósitos ou poças ideais para o desenvolvimento do aedes aegypti.

Como podemos observar, a vitória nessa batalha depende do envolvimento de cada um, seja cuidando para evitar a proliferação do mosquito transmissor em sua casa, seja denunciando o desleixo do vizinho ou a eventual falta de comprometimento do prefeito da sua cidade.

O que importa é saber que a dengue não escolhe classe social e o aedes aegypti não tem preferência por bairro ou cidade.

Todos estamos vulneráveis, todos somos responsáveis.

* Editorial publicado hoje no Diario de Pernambuco.

Um comentário:

Ministério da saúde disse...

Evitar a proliferação da dengue depende de cada um de nós. Além de cuidar da sua casa, falar com seus vizinhos, manter contato com sua prefeitura sobre focos da doença, você pode utilizar esse espaço para conscientização.
Seja parceiro do Ministério da Saúde na mobilização contra o mosquito da Dengue. Divulgue em seu blog nosso material. Entre em contato com comunicacao@saude.gov.br e solicite o selo, participe da campanha.
Saiba mais: http://bit.ly/bMMVKT